quarta-feira, 20 de agosto de 2008

Tokyo - sola

Então. A partir das 13h do sábado estava solita na estação de Tokyo. Só eu, minha mochila cheia de coisinhas que a tia me deu (é um costume japonês encher as sobrinhas de presentes. hehehe), uns ienes e uns mapas.



Minha tia havia me explicado antes que em algumas estações havia estas portas para que algumas pessoas estressadas não empurrem outras no trilho :O

...

uma historinha no meio sobre o suicídio nos trilhos de trem. meio trash.

parece que acontece com certa frequencia em Tokyo. o Raul contou-nos que presenciou um uma vez. Em Tokyo os trens são bem mais rápidos e as pessoas estão bem menos atentas nas outras, de forma que é mais fácil chegar e se atirar na frente de um trem sem chamar muita atenção.

nota 1: o trem para quando isso acontece, os trilhos são limpos e tudo volta a funcionar normalmente em 20 min. Já existe um procedimento padrão para estes casos.

nota 2: a família da pessoa que se suicida tem que pagar por todo o prejuízo que estes 20 min de atraso causaram ao governo japonês. Em Tokyo, estamos falando de milhões de dólares. Pq? Se por exemplo, se um empresårio consegue comprovar que deixou de fechar um negócio por causa de seu atraso (falta gravíssima no Japão), o governo tem que pagar uma determinada porcentagem do dinheiro que o empresário deixou e receber. Estamos falando de UMA pessoa em Tokyo. Se ainda considerarmos que um trem atrasa o outro.. viixe. da para ter uma idéia da bagunça que dá.

Isso justifica um suicídio nos trilhos de duas formas: um protesto contra a sociedade e, principalmente, contra a família. De outra forma, a pessoa se suicidaria em casa.

Quando isso fica mais evidente? quando o suicida tira os sapatos (!?). Acontece que, quando o suicida não tira os sapatos, a família ainda pode alegar que foi um acidente, que ele foi empurrado (de repente até pode cobrar uma indenização do governo). Quando o suicida está sem calçados, ele está dizendo "isso foi um suicídio." e mais "quero que minha família pague por isso."

Que coisa não. Lendas urbanas? coisas de Tokyo.

...

voltando para a historinha feliz da Louise...



Cheguei viva na estação de Roppongi depois de pegar dois trens bem sucedidamente. Roppongi é um bairro bem modernoso de Tokyo. É um bairro para turistas. Lojas, restaurantes, hotéis, prédios gigantes e .. museus! Havia três que eu pretendia visitar. Mas meus planos foram mudando no meio do percurso. no final, acho que foi para melhor.



O primeiro museu que queria visitar era o 21_21 design sight. No caminho, umas fotinhos da rua.

Tokyo Midtown



Feinha a entrada para a estação de trem, né?



E na frente, um jardinzinho com um riacho artificial liindo.





Depois de duas quadras da estação, ali estava o museu.







Passagem de trem: US$ 2,50
Valor do ingresso no museu: US$ 7,00
Conhecer um museu de design de Tokyo: não tem preço ;D

A exposição não tinha muitas obras, mas era muito bonita, tinha umas referências dos antigos tempos do japão. mas valeu mesmo pelo museu, que é muito bonito. Infelizmente, não se podia tirar fotos.

Na saída, comprei uma revista do museu. Queria comprar todos os livros que eles tinham lá, mas a revista foi o que a verba permitiu. hehe.

Saindo dali estava de frente para o prédio principal do Tokyo Midtown. Não resisti aos apelos dessa gentil passarela que ao final da cruzada avisa as pessoas para terem cuidado com os degraus.



E ela me levou até o hall do prédio:



Onde logo procurei um banheiro e eis o que encontro nele



Explorando o prédio...







Até que...



encontrei uma exposição de trabalhos de universidades de design do Japão.



Havia alguns trabalhos legais. Entre eles, um sabonete que brilha no escuro. Mas nada de super surpreendente. Fiquei mais impressionada com a beleza do prédio. Muito bonito. Na exposição, peguei uns folders de algumas universidades que parecem ser bem interessantes. E ali vi um flyer de outra exposição:



Resolvi ir para lá. Perguntei para a recepcionista onde era e como se chegava. Era em Ginza ( INSERIR LINK http://en.wikipedia.org/wiki/Ginza). Um dos bairros mais chiques de Tokyo. As ruas de Ginza são famosas pelas lojas de marcas como Cartier, Fendi, Zara, Gucci... e pela Apple Store (perdi), Sony Building entre outras coisas. Peguei um trem e em 5 menos de cinco minutos estava em Ginza.



Encontrei a galeria e entrei na exposição (gratuita). Como era uma exposição digital, muitas das coisas que ali estavam pode se ver na internet (claro, em proporções menores). A maioria pode ser encontrada aqui.

E aqui tá o pequeno portfólio do autor da exposição. Que também era uma das obras da mesma. Recomendo.

Outras obras que me chamram a atenção foram as campanhas da Uniqlo (tipo uma renner grandota). O Uniqlo Grid e o UT LOOP. Aliás, para quem tiver um tempinho, recomendo dar uma olhada no site deles. Onde encontrei coisas interessantes como o Uniqlock.

Dêem uma espiada também na campanha do Softbank (companhia de celular): Hello, world!. Bem querida.

Arte e publicidade se misturando. mais uma vez.

O segundo andar tinha uns 15 monitores. Cada monitor mostrava uma obra. Todas as obras duravam 30 segundos. Cada monitor tinha um tema, e várias obras de 30 segundos sobre este tema. Havia um relógio que contava os segundos e fazia um barulho um pouco mais forte em 30 segundos, quando todas as obras começavam juntas novamente. E as pessoas iam passando pelas obras, mais ou menos de 30 em 30 segundos em rodizio. Interessante.

Um dos monitores que me chamou a atenção apresentava o FFFFOUND! um site tipo o del.icio.us só que de imagens. As pessoas vão marcando suas imagens preferidas da web e consequentemente recomendando as mais marcadas umas para as outras.

Sai dali e caminhei um pouco pelas ruas de Ginza. Comprei um vestido na Uniqlo (completamente influenciável). E fui atrás de de outro museu (ACHAR O NOME DO MUSEU). Encontrei, depois de penar um pouco (acreditem, a grande maioria das pessoas em Tokyo não sabem falar inglês e não conhece os principais museus da cidade), mas cheguei as 19:00 e a última admissão era as 17:30. bom, melhor assim, da próxima vez, não perco tanto tempo procurando e, de qualquer forma, não ia ter tempo de ver tudo o que tem ali dentro a partir das 19:00.

:O



ufa. então me dei conta que a maioria dos museus deveria estar fechando e resolvi relaxar. a maratona tinha terminado. com um bom saldo. Parei num Starbucks (nunca tinha ido num!)



Tomei um café delícia com um cookie mucho. Liguei para os amigos e eles foram me buscar lá para sairmos juntos. Me arrumei no banheiro da cafeteria (com o vestido novo :) e me encontrei com eles..

mas aí já não estava mais "sola", então o resto da história vai para outro post ;)

4 comentários:

kaoriseiichi disse...

Lou! Soy yo! jajaja
Seu blog estah muuuuuito bom, e como sempre, as fotos maravilhosas! Admiro te pela paciencia, cumplicidade e por me aturar! hihihi
Bjs
Kaori

Louise Kanefuku disse...

aah... que querida, Kaori :) gracias, chica. tb te admiro bastante. por me aturar inclusive. hehe. bj!

Para o alto e avante! disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Adriana Sugimoto disse...

Oi, Louise!!!!

O teu blog foi uma das minhas indicações para o BlogDay 2008!

Bjs!

Adri

semcomplicacao.blogspot.com